Tenho o previlégio de ter vivido o período colonial angolano, ter vivido todo o processo pré-independência e ter assistido a todo o processo, ter vivido o período imediato à independência onde a influência da Economia Socialista Planificada foi implementada no País e que teve as várias fases, desde a dureza inicial até ao processo que se foi aligeirando.

Após 1989 vivi a mudança do processo com todas nuances boas e más até aos dias de hoje. Como me tenho como um “analista silencioso dos fenómenos” fui notando o que se passava onde de alguma forma eu intervinha quer como utilizador/cidadão, quer como cliente, quer como fornecedor. Construi um conjunto do que posso chamar de “crónicas” que um dia publicarei em forma de livro com o título REGISTOS. É só ter tempo para fazer a compilação final e o livro sai.

Neste site e nesta secção do site quero falar de algumas coisas que constatei ao longo da minha vigência no que diz respeito a EXÉRCITOS ( no tempo colonial vivia num apartamento que, em modo de república, recebia alguns soldados portugueses nos fins de semana e após a independência, na qualidade de fornecedor trabalhei de perto com as então FAPLA e mais tarde FAA tendo passado por um processo de serviço na ODP )

1- Comissário Politico

a- As forças Armadas de inspiração Soviética tinham uma coisa que era também idêntica ás forças hitlerianas que eram os Comissários Politicos

b- Esses comissários tinham por missão “EVITAR” que os soldados “fizessem coisas fora dos parâmetros definidos” … Se era para ser “mau” ( caso hitleriano ) era para ser mau mesmo … Se era para ser “normal/bom” o CP tinha por missão fazer com que isso fosse conseguido. Ele é uma espécie de “POLICIA MORAL” das unidades

c- O Exército Ocidental não tem essa figura… Acredita que os seus soldados são “profissionais” … Grande êrro !! Soldados são soldados … A m… que fizeram no Iraque e que saiu em todos os media, por exemplo terá por base o facto de não haver o CP no exército ocidental; Não quer dizer que não pudesse haver problemas MAS a probabilidade de existir é muito menor.

d- Portugal, após 1964, sendo da NATO, resolveu o problema do CP com a introdução de uma figura que, na época achava estranho… O CAPELÃO… Lembro-me de pensar na altura… Como é possível que um PADRE SEJA SOLDADO… Depois de ter vivido todo o processo da minha vida, entendi o que eles fizeram … Como eram da NATO e não podiam ter o CP, inventaram o Capelão que se tornou o Policia Moral do Exército Português no processo que se designou de PSICO e onde a Angola Independente acabou por ganhar bastante porque contribuiu muito para o “De Cabinda ao Cunene um só povo uma só Nação” e a eliminação quase total da separação racial que existiu até inicio dos anos 60.

2- Equipamento de rádio e outros equipamentos

a- O exército Soviético tinha coisas que bradavam aos céus pela sua lógica e simplicidade… Eles sempre fizeram soluções práticas e onde o senso comum imperava. a. É conhecida a história de que a NASA investiu milhões para fazer uma esferográfica que escrevesse no espaço e que os Russos escreviam a lápis… Não sei se a história é verídica, MAS, de facto é esse o tipo de solução que eles encontravam.

b. A celebre AK47 é conhecida pela simplicidade e fiabilidade …

c. Os tanques soviéticos tinham rádios dos 20 aos 56 Mhz … Os ocidentais têm 2 rádios, 1 de 1,6 a 30 Mhz e outro de 30 a 88mhz.. O tanque soviético tinha um simples rádio num excelente compromisso “necessidade/preço/eficácia” … Quem percebe de comunicações sabe que quanto mais baixa é a frequência maior é o alcance na “ground wave” e que entre os 20 e 30 Mhz ainda conseguiam fazer comunicações utilizando o salto Ionosférico com eficácia aceitável.

d. A nível de Aviação .. Os Antonov´s e os IL´s são aviões sem “composites” e que aterram em qualquer local plano incluindo gelo; O focinho/Trazeiras do avião “abrem para entrar/sair carga de forma simples” sem planificação de estivas complicadas.

e. Os Sukois, MIGs e MI´s também não têm “composites” e como tal muito mais resistentes às intempéries e mesmo a ataques de balas e têm um software TODO FEITO EM CÓDIGO MÁQUINA, o que permite que “operações que os aviões Ocidentais precisam de milhares de horas de testes e capacidades informáticas enormes” nos aviões soviéticos sejam processadas por computadores básicos, com muito menos probabilidade de “bugs”

f. Existem muitos outros equipamentos onde se nota o Senso Prático e fiabilidade … Os URAIS/KAMAZ são imbatíveis como os “verdadeiros todo terreno” … O Buran era um avião espacial que podia “voar normalmente como avião” ( o Suttle dos EUA só planava …)

g. Os “boosters” soviéticos utilizam “combustível liquido” que tem várias vantagens em relação ao combustível sólido ou o combinado de sólido/liquido … A explosão do Challenger teve origem num “rocket de combustível sólido” … Para quem conhece o mínimo deste tipo de coisas sabe que “o combustível sólido precisa de ser conservado em temperaturas abaixo de zero, que uma vez ignitado não se pode desligar PARA ALÉM desta ignição com centenas de graus centigrados positivos, ficar a centímetros do mesmo local onde o combustível tem que ficar abaixo de zero e dezenas de graus negativos … Um pesadelo de física !!

Os boosters soviéticos funcionam com combustível liquido que:

      1- não exige grandes engenharias no controlo de temperaturas e

      2-tem muito mais hipótese de ser desligado depois de ignitado ( basicamente é só cortar o combustível )

h. A nível do espaço, a estação espacial que “fez todo o sucesso do programa soviético” era simples, de acopolação também simples … Cabia por exemplo dentro do “cargo bay” do Space Shuttle … Os EUA ( e mesmo a Europa ) preocupam-se com mega programas que entram sempre em “derrapagem de custos” onde estão sempre a “inventar coisas e mais coisas para encarecer” ... Lembro-me de uma história contada pelo Presidente da Sony há uns anos… Um inventor inventou um material super duro que tinha elevada resistência … Logo o parceiro americano idealizou o uso dessa substância, ainda não testada a 100%, para uso no espaço, militar etc … Os parceiros Japoneses na altura foram para um uso bem mais simples e prático .. Bolas de Golfe …

3- Preços

a. Uma vez ( durante a primeira República ) alguém na Inglaterra me questionou sobre o facto de “usarmos material de baixa nível e qualidade soviético” em vez de material Ocidental…

b. CONTESTEI DE IMEDIATO … Disse que não era especialista mas que, PELO QUE EU SABIA, Angola utilizava a melhor equação QUALIDADE/PREÇO em tudo o que usava nas Forças Armadas

i. As AKs e tanques

ii. OS aviões ( e aqui expliquei que onde os soviéticos não fabricavam nós íamos buscar a melhor solução para o objectivo como é/era o caso dos Allouettes/Gazelle e dos PC7´s (agora Tucanos ) e os Casa212 … Paradoxalmente os soviéticos nestes domínios não produziam nada capaz.

iii. Na comunicações utilizavam-se Racais e CSF´s assim como Motorollas iv. A nível de informática utilizavam-se os DG´s, IBMs e NCR´s v. EM SUMA contestei … Disse que, pelo que sabia só se utilizava equipamentos onde a equação qualidade/objectivo/preço fosse adequada

c. A nível de preços era claramente notória a diferença … Uma AK custava algo na fasquia de USD 50 … No Ocidente provavelmente nem uma bala custa isso. A diferença nos aviões era astronómica, algo como 10 vezes mais económico para além dos aparelhos serem bem mais adaptados à realidade Angolana.

4- Esta secção é para colocar aqui um tributo a quem tomou as decisões durante a Primeira República nestesdomínios…

Tivessemos nós adoptado algumas outras decisões no teatro operacional e a nossa guerra teria sido resolvida muito mais cedo… MAS essa parte é para outra crónica !!! Questões como o uso da rede da Dinatel, a lógica do PLANO que colocava uma peça critica de USD 10 para uma industria ao lado da importação de um processo de 10M de USD com os mesmos processos, a fuga dos quadros angolanos devido ao salário máximo e a questão do “30.214” são para outra crónica !!